Gestão Ambiental na Indústria

INTRODUÇÃO

De forma resumida serão apresentados alguns aspectos fundamentais da gestão ambiental na indústria. Estes aspectos são aplicáveis para indústrias de todos os segmentos e também de diferenciados portes (pequena, média, grande) .

DESENVOLVIMENTO

1. A autorização (Licença Ambiental) concedida através de: Licença Prévia (LP), Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO).

  • cumprimento de todos os requisitos legais
  • manutenção da licença

2. Posicionamento atual da organização em relação ao meio ambiente, com base em avaliação inicial que tomará em conta os seguintes aspectos:

  • levantamento da legislação ambiental pertinente e identificação dos requisitos legais e regulamentares, bem como normas e regulamentos internos;
  • identificação dos aspectos ambientais de suas atividades, produtos ou serviços, de modo a determinar aqueles que têm ou possam ter impactos ambientais significativos;
  • práticas e procedimentos de gestão ambiental existentes;
  • informações resultantes da investigação de incidentes ambientais anteriores;
  • de reclamações de clientes, usuários, funcionários, vizinhos e demais partes interessadas nos aspectos ambientais das atividades e/ou produtos;
  • verificação dos consumos de água, energia elétrica, papel e outros insumos.

3. Estabelecimento da Política Ambiental da Empresa

  • Esta política irá determinar o conjunto de intenções da alta direção da empresa e orientar os procedimentos e condutas gerenciais relacionados ao meio ambiente.
  • A política deverá estar adequada á natureza, escala e impactos ambientais das atividades, produtos e serviços.

4. Estabelecimento de um sistema de gerenciamento ambiental

Hoje é visível que não é possível improvisar ou administra de forma não ordenada. É necessário integrar a administração ambiental aos demais sistemas gerencias da empresa. A norma da ISO 14.001 é uma excelente ferramenta de gestão. Mesmo que a empresa não vise, a curto prazo, a certificação poderá colocar em funcionamento uma sistema de gerenciamento ambiental, com base na norma da ISSO 14.001.

A elaboração de um SGA -Sistema de Gestão Ambiental envolve alguns pontos genérico:

  • análise crítica da política ambiental
  • compatibilidade do plano com a política ambiental
  • emprego de processos estruturados, disciplinados e sistematizados de administração. Ex. Ciclo PDCA, diagrama de causa e efeito, FEMEA
  • atribuição de prioridades
  • implantação de uma estrutura funcional na organização voltada ao gerenciamento ambiental.
  • flexibilidade de adaptação á mudanças
  • cumprimento de normas ambientais
  • na fase de implementação são definidos e disponibilizados os recursos humanos, físicos e financeiros para a execução das ações previstas no SGA, bem como a estrutura de responsabilidades. A motivação e conscientização de todos os envolvidos são aspectos essenciais no processo.
  • definir formas e meios de comunicação interna das ações e seus efeitos.
  • produção de documentos deve ser organizada e estar disponível para consulta por todos os interessados.
  • controle operacional e elaboração de um plano definindo procedimentos de emergência. A aplicação deste plano deve-se dar em casos de ocorrência de desastres ambientais ou de situações especiais que gerem a necessidade de intervenções rápidas e eficazes para o seu controle.

5. Monitoramento das ações

O constante monitoramento e avaliação são os meios de aferir a execução das atividades em acordo com o programa de gestão previsto.

É recomendável monitorar o efetivo desempenho na consecução dos objetivos e metas definidos, e relatar os desvios ocorridos e suas causas. Checar prazos, verificar cronogramas, avaliar o cumprimento da legislação e de regulamentos são exemplos de tarefas afetas a esta etapa. As observações devem ser devidamente registradas e avaliadas, e os resultados gerados serão utilizados na identificação de áreas de êxito e da necessidade de ações corretivas e de melhoria. Auditorias do Sistema de Gestão Ambiental (SGA), tanto internas como externas.

6. Estabelecimento de metas e acompanhamento dos Indicadores de Desempenho de Sistemas de Gestão Ambiental

Proposta inicial Tipo Unidade Dados Coletados
>Consumo de matérias primas – MP por unidade de produto. relativa ou percentual Input MP em kg ou em %/Produto final kg
  • Quantidade de matérias primas consumidas
  • Quantidade de produtos
>Quantidade de água consumida por unidade de produto. relativa ou percentual m³ ou l ou em %/kg produto
  • Consumo de água
  • Quantidade de produtos
>Quantidade de energia consumida por unidade de produto relativa ou percentual kWh ou em %/kg
  • Consumo de energia
  • Quantidade de produtos
>Custos no processo produtivo por unidade de produto

• Custos operacionais no processo produtivo por unidade de produto

• Custos de consumo de insumos e matérias-primas no processo produtivo por unidade de produto

relativa ou percentual R$ ou %/kg de produto
  • Receita operacional

 

->Quantidade de materiais reciclados ou reutilizados no processo produtivo por unidade de produto

Quantidade de materiais reciclados ou reutilizados na administração

relativa ou percentual Kg Material reciclado/kg produto
  • Quantidade de materiais reciclados/reutilizados
  • Quantidade de produto
>Quantidade de efluentes líquidos produzida por ano ou gerada por unidade de produto relativa ou percentual Litros, kg, m3 ou %/ano ou kg produto
  • Efluentes líquidos e carga poluidora gerada
  • Quantidade de produtos
>Quantidade de resíduos produzida por ano ou gerada por unidade de produto relativa ou percentual Kg ou %/ano ou kg produto
  • Quantidade de resíduos
  • Quantidade de produtos
>Emissões gasosas geradas anualmente relativa ou percentual Kg ou m3/ano
  • Emissões gasosas e substâncias emitidas
>Concentração de substâncias específicas no ambiente

Evolução no tempo da concentração de substâncias específicas no ambiente

Absoluta mg/m3 ou área
  • Substâncias lançadas no ambiente
>Carga poluidora gerada no processo, em percentual de redução e quantidade gerada por unidade de produto Relativa por espécie (LD50), em mg/kg ou m3
  • Substâncias nos organismos
->Custo ambiental em percentual do faturamento total da empresa Percentual %/por ano
  • Recursos despendidos em despoluição
->Custos de despoluição, como resultado de ações preventivas.

• Custos por quantidade de carga poluidora gerada, como R$ por m³ ou ton de emissões

Absoluta ou percentual R$ ou %/por ano
  • Recursos despendidos em despoluição
>Receitas resultantes da minimização, reutilização e reciclagem de resíduos ou emissões Absoluta ou percentual R$ ou %/por ano
  • Receitas oriundas da minimização, redução, reutilização e reciclagem de resíduos
>Custos para remover e dispor resíduos por período de tempo

• Custos para remover e dispor resíduos por unidade de produto

relativa ou percentual R$ ou %/por ano
  • Recursos financeiros para dispor resíduos
  • Quantidade de produtos

Fonte: MMA/Secretaria de Qualidade Ambiental, 2001

7. CONCLUSÃO

Podemos concluir que a indústria que possui um sistema de gestão ambiental implementado poderá usufruir de muitos benefícios, dentre eles podemos destacar:

Benefícios Econômicos

  • Economia de Custos
  • Redução do consumo de água, energia e outros insumos.
  • Reciclagem, venda e aproveitamento e resíduos, e diminuição de efluentes.
  • Redução de multas e penalidades por poluição.

Incremento de Receita

  • Aumento da contribuição marginal de “produtos verdes”, que podem ser vendidos a preços mais altos.
  • Aumento da participação no mercado, devido à inovação dos produtos e à menor concorrência.
  • Linhas de novos produtos para novos mercados.
  • Aumento da demanda para produtos que contribuam para a diminuição da poluição.

Benefícios Estratégicos

  • Melhoria da imagem institucional.
  • Renovação da carteira de produtos.
  • Aumento da produtividade.
  • Alto comprometimento do pessoal.
  • Melhoria nas relações de trabalho.
  • Melhoria da criatividade para novos desafios.
  • Melhoria das relações com os órgãos governamentais, comunidade e grupos ambientalistas.
  • Acesso assegurado ao mercado externo.
  • Melhor adequação aos padrões ambientais.

Autora: Elessandre Cristine F. M. dos Santos

BIBLIOGRAFIA

CLEMENTINO, JOSÉ CARLOS. 2001. Home Page Jurídica www.clementino.hpg.ig.com.br

MMA/Secretaria de Qualidade Ambiental, 2001.

MOURA, LUIZ ANTONIO ABDALLA DE. 2004. Qualidade e Gestão Ambiental. 4ª ed. São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Receba nossos vídeos e dicas!